ROSÁCEA

Rosácea é doença crônica comum, de causa desconhecida, que afeta pessoas de meia idade, geralmente de ascendência mediterrânea. Acomete principalmente a porção central da face. É caracterizada por rubor facial persistente ou intermitente (flushing), podendo evoluir com pápulas e pústulas, vasos faciais dilatados e, principalmente nos homens, com aumento dos tecidos moles do nariz (rinofima).

A inflamação dos vasos da pele diminui seu limiar de tolerância a agressões ambientais externas, havendo piora da sintomatologia da rosácea, com a exposição ao frio, ao calor e ao sol. Quanto à dieta, deve ser evitado o consumo de café, chás, líquidos quentes, bebidas alcóolicas, alimentos condimentados, chocolate e pimenta, os quais podem desencadear episódios de flushing.

Além das alterações faciais, os pacientes queixam-se de apresentar pele sensível, coceira, ardência e até irritações oculares. Pode haver acometimento da pele do colo, pescoço e couro cabeludo, geralmente pioradas pela exposição solar crônica. Tendo em vista a sensibilidade aumentada da pele, deve-se evitar o uso de sabonetes abrasivos, ácidos como o retinóico e cosméticos.

O tratamento da rosácea visa a diminuição do eritema, das lesões inflamatórias e da sensibilidade da pele, uma vez que não há um tratamento definitivo. Os medicamentos disponíveis atuam em cada um dos sintomas, sendo utilizados antibióticos tópicos e sistêmicos, medicamentos para estabilização da cor vermelha da face; isotretinoína para os casos que podem evoluir com rinofima.

Uma opção terapêutica comprovadamente eficaz nos casos de rosácea com eritema e vasinhos da face é o uso do tratamento com luz.  A luz intensa pulsada (Etherea) é tecnologia desenvolvida para o tratamento de lesões pigmentadas e vasculares. Geralmente, são necessárias de 3 a 5 sessões com melhora da textura, cor e vasos dilatados. Os resultados são mantidos em torno de seis meses após as sessões, com mínimos e transitórios efeitos colaterais.